Páginas

sábado, 20 de junho de 2015

Consciência alimentar precisa-se

Para uma pessoa que gosta tão pouco de praia como eu, só podia ter tido uma filha que precisa de praia como de pão para a boca. 

Lá fui, cedo como se quer, apanhar banhos de sol. 
Ao meu lado uma família. Ela gordinha, ele médio e o filho, com cara de miúdo de 11/12 anos, mas num corpo gigante. Só o puto e a mãe beberam litro e meio de ice tea em duas horas. Estava fresquinho, via-se e sentia-se na satisfação com que o emborcavam. Comeram pasteis de bacalhau, rissois e quando o puto disse que não lhe apetecia um gelado, a mãe insistiu. O gelado tem leite, disse-lhe. Foi-lhe buscar um bem grande. Fiquei Ali colada  aquela família cheia de atenção e amor para com o filho, no entanto a encherem-no de colesterol até ao pescoço. Temos tanto para fazer em termos de consciência alimentar. 


2 comentários: