Páginas

terça-feira, 21 de outubro de 2014

dieta e mimos que chegam na altura certa


Dieta. Ando de dieta. A malta que me conhece sabe bem o que isto pode fazer ao meu sensível cérebro, habituado que está a jantares e almoços apetitosos. Mas a coluna não aguenta. As minhas queridas próteses começavam a colapsar porque são sensíveis, as gajas. E ah e tal tenho de perder uns quilos, disse o meu querido médico. Dieta. A dieta entristece-me. Entre ser aquelas mulheres magras em que qualquer trapo cai bem, e ser eu, onde tenho de escolher as roupas com parcimónia para disfarçar gorduras e poder comer, sou mais, muito mais, esta ultima. Por isso, a dieta surge-me sempre como algo estranho a mim, como uma tatuagem que não quero. Coloco lembretes no telemóvel para que, em momentos que sei que são complicados, a palavra dieta no ecrã me obrigue a focar.

A coluna. Sofro de problemas de coluna desde a adolescência. Ela colapsou no início da minha terceira década de vida. Daí até aos dias de hoje já foram várias operações, várias próteses para conseguir andar. Não sei explicar o que é que sinto de cada vez que me perguntam como é ter uma vida limitada, porque não sinto que a tenha. Se tiver de ficar um fim de semana em casa, na cama a recuperar de uma semana mais agitada, fico, rodeada dos meus livros, do meu computador, a mandar sms para todo o mundo e a manter a cabeça ativa enquanto o corpo descansa e se prepara para novo embate. Só não quero faltar ao trabalho. Nunca quero faltar ao trabalho. Não gosto que me olhem como alguém com limitações, porque não sinto que as tenha, e por isso, tento disfarçar a dor. Tenho sempre medo que não me peçam determinado trabalho porque ‘ai e tal coitada dela…’, porque não me sinto assim. Na verdade, o meu trabalho é escrever, e não apanhar batatas ou cavar terrenos. Posso escrever. Os dedos não me doem e a cabeça, mal ou bem, vai funcionando. Mas vivo rodeada do medo da pena, da comiseração e escondo. Escondo-me. Por isso, agora vem a dieta, para aguentar melhor. Colapsar menos. A idade não ajuda. Bolas, a idade…

Hoje, quando cheguei ao trabalho tinha uma surpresa de uma pessoa que me lê. Uma pessoa que me dá força quando percebe que não escrevo e que isso poderá ter algo por detrás. Uma pessoa com quem já troquei email e que me dá alento, me fortalece. Sou uma alminha sensível. Ela descortinou isso e alimenta a força que vê em mim, por muito pouca e fraca que seja. Já por duas ou três vezes pensei vir ao email e desabafar com ela. Não sei. Nunca tomamos um café juntas, mas gosto dela. Gosto do que os seus olhos me dizem. Do que o sorriso dela me alenta. Hoje, com a sua prenda, dissipou-se a vacuidade irónica da minha dieta. Hoje o dia está bem mais leve e alegre, para mim. Obrigada Isabel, obrigada. Prometo que vou fazer a sopa de lima. E vou lê-lo com mestria. E arrumá-lo na estante que tenho na minha cozinha, o meu sítio favorito. Deu-me uma vontade de chorar quando li a sua carta. Mas não ligue, a dieta deixa-me assim, sensível.

Obrigada por tudo o que este livro me transmite.

 "Doutor, se me deixar beber esta tequila, prometo não beber no meu funeral"
Frida Kahlo, mas poderia muito bem ter sido eu a dizer tal coisa.

8 comentários:

  1. Olá, para não acabar mal eu devia fazer natação, reforço muscular da coluna, mas eu não faço, às vezes digo se eu soubesse nadar mas não sei, mas se eu quisesse mesmo aprendia eu fico entre o dever e o querer, e sei que um dia a corda parte mas enquanto eu achar que se pode dar um nó, fico quietinha, morar em Trás os Montes não ajuda, piscinas cobertas não se encontram com facilidade a mais próxima é a 25 Kms mas é tudo uma questão de querer.

    Boa sorte para a sua dieta, vai conseguir é uma questão de querer mas querer mesmo.

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria Rita, temos duas coisas em comum: somos transmontanas e temos uma miserável coluna. Estamos preparadas para vencer o mundo :)

      obrigada e beijinhos

      Eliminar
  2. Limitada? Nunca!
    Fazer dieta para quem tem tanto prazer é mesa... é cruel.

    ResponderEliminar
  3. Eu também ando a fazer dieta desta Setembro a conselho do meu Gastrenterologista. Comecei a ser seguida por uma Nutricionista e Dietista.
    Entre muitas outras coisas deu-me várias receitas de SOPAS SEM BATATA. Já fiz algumas e são mesmo boas:
    - Sopa de Peixe: abóbora (100g), cebola (2), courgette (2), pimento vermelho ou amarelo (1), peixe a gosto, coentros, sal e pimenta q,b.
    - Sopa de Ovo: abóbora (100g), cebola (2), courgette (2), 3 ovos cozidos, coentros e sal q.b.
    - Sopa de Abóbora: abóbora (100g), cebola (2), courgette (2), pimento vermelho ou amarelo (1)
    - Sopa de Coentros: courgette (4), dentes de alho (5), coentros q.b. e 1 colher de sopa de azeite
    - Sopa de Espargos: espargos verdes ou brancos, courgette (2), cenoura (1) e cebola (2)

    Uma das coisas desta dieta é comer gelatina. Nunca fui pessoa de comer gelatina mas agora como numa boa.
    Como, também, mais legumes cozidos e crús que comia antigamente. Assim como a fruta.
    Só posso comer 3 peças de fruta por dia e nunca posso comer sozinho.
    Se beber algum sumo NATURAL já não posso comer fruta o resto do dia. Se beber sumo NATURAL tenho que comer alguma coisa também para que absorva o açúcar da fruta.

    Não posso comer batatas (só batata doce e duas vezes por semana), nem massas, feijão, grão......arroz (muito de vez em quando e pouco).

    Só posso comer pão de centeio, tostas de centeio.

    Já me autorizou a comer doce um dia por semana mas, ainda não cheguei lá.......logo eu que gosto de DOCES e CHOCOLATES (principalmente de chocolate negro).....quando passo pelas monstras das Pastelarias.....hummmmm

    E água? Logo em jejum bebo meio litro e durante o dia muito mais!!!!

    Boa sorte com a sua dieta!!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Vou experimentar algumas destas sopas. também eu como muita gelatina... mas gosto.
      Um grande beijinho

      Eliminar
  4. És, sem dúvida nenhuma, uma inspiração. Percebo cada uma das tuas dores e parece que as sinto (e depois sinto mesmo). Boa sorte para a dieta, que é daquelas coisas que fujo a sete pés, mas que sei que são o que nos salva muitas vezes das dores desnecessárias. É que vem aí o Inverno e o tempo mau para as articulações :/ um beijo enorme!!

    ResponderEliminar