Páginas

terça-feira, 22 de setembro de 2015

os pais de hoje


Ontem fui a uma reunião de pais na escola onde a minha filha anda. Ter, numa sala, cerca de três dezenas de pais nunca é coisa boa. Há quem ache que os putos têm de começar a ler aos 4 e quem ache que aos cinco já têm de fazer frases noutra língua de preferência o inglês, mas se puder ser inglês e espanhol, melhor; há quem se encanite com o tipo de manual que as educadoras vão escolher e outros que acham que o importante é usarem batas. Na verdade, há para todos os gostos.

Agora os pais têm um espetro de idades que vão dos vintes aos quarentas. Dei por mim a pensar onde é que aquela malta teria passado a sua infância e adolescência. Será que algum dia fumaram algum charro? Será que andaram em campanhas pela noite dentro quando nem se sabe muito bem que ideologia se pregava? Será que namoraram no carro, no mato e em casa mesmo nas barbas dos pais? Será que lavaram sempre os dentes no fim de cada refeição? Será que nunca comeram excessos de doces? E nunca se sentiram livres para usarem roupa velha e rasgada? Será que algum dia faltaram a uma aula só porque sim? Será que tiveram a sorte de ter uma professora que ensinava com igual gana a matemática e a forma de um homem conquistar uma mulher? Não sei o passado daquela malta, sei que o que a maioria apregoa para os seus miúdos é uma vida perfeitamente higienizada, sem margem para a loucura, num caminho perfeitamente calculado. Sinistro, portanto. Sei que os putos têm o condão de refazer barreiras impostas, derrubarem ideias familiares, questionarem o mundo. E isso é bom, mas não deixo de pensar que hoje os pais são aqueles que coartam mais facilmente a liberdade dos seus filhos. É por amor. Sei que sim. Mas umas calças rasgadas e sujas no fim do dia só faz bem. UM quarto com posters a aniquilar a pintura, devia estar sempre no curriculum de cada um. E se em vez de atividades extracurriculares com regras os soltassem ao vento num jardim ou praia? A minha preocupação é que a miúda tenha tempo para brincar mesmo quando eu estou a trabalhar; muitos pais querem é que os filhos aprendam das 9h às 18h, sem parar. Se a escola acaba às 15h30, toca a mete-los no inglês, na musica, no espanhol, no judo. Vamos encher as horas com coisas, muitas coisas. Eu  quero que após as aulas a miúda descanse e brinque. Será que não sabem que se aprende muito quando se brinca? 

16 comentários:

  1. Ui, como eu a compreendo! Há pais que se preocupam com coisas sem jeito abolutamente nenhum! Os meus filhos têm as actividades extra que nós e eles entedemos ser as suficientes, mas em que fiquem alguns dias de folga pelo meio, pelo simples prazer de chegar a casa mais cedo e não fazer nada, ou brincar, ou até ver TV. Não precisam de ser mais espertos que os outros, só me interessa que sejam mais felizes. Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Olha que partilha tão boa!
    Eu dou por mim a pensar o mesmo, e pior... quando chegam à adolescência e querem que os filhos se mantenham uns cordeirinhos no rebanho sem espaço para a criatividade e para a individualidade, sem poderem "fazer" fora do penico... pergunto-me, onde é que estes Pais estiveram quando tinham 13-17 anos??? Haja paciência :-)
    Obrigada pela partilha, a brincar aprendemos muito e a disparatar também! Viva o disparate e o "dolce fare niente"!
    Abraço, Alexandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo tão simpático comentário. Beijinhos

      Eliminar
  3. Estou tão de acordo! A minha filha mais nova que começou agora o 2º e no ano passado, na primeira reunião de pais que tivemos, falou-se logo sobre os trabalhos de casa e sobre qual a periodicidade dos mesmos e fui cilindrada pelos restantes pais quando expressei a minha opinião sobre os mesmos. Um criança de 6 anos, que começa uma nova rotina em que das 9h00 às 17h30, está sentada em sala de aula, deveria ter tempo para brincar, acho eu. Mas ninguém concordou comigo. A maioria dos pais acha que eles têm que aprender é de pequeninos, que se não começam agora a trabalhar a serio, depois nunca encontrarão ritmo de trabalho, etc, etc. Ficou acordado, 2º, 4º e sexta os dias dos trabalhos de casa e a mim dá-me dó, ver estas crianças, em casa, no horário que deveriam ter para brincar, cheias de sono a maior parte das vezes, a sentirem-se desmotivadas dia a dia, letra a letra que vão escrevendo.
    Brincar e fazer alguns disparates devia fazer parte da agenda de ser criança!
    Obrigada pelo post.
    Alexandra

    ResponderEliminar
  4. Gostei tanto do teu post!! Ir a essas reuniões é, muitas vezes, um exercício de humildade, tais são as "ganas de os acordar"'para a realidade!! Haja paciência!!
    Vou partilhar... Beijo!

    ResponderEliminar
  5. Se não fosse pelo mero prazer de perceber que as nossas crianças necessitam de brincar; ainda assim poderiamos apontar os estudos mais recentes que comprovam a necessidade fulcral do recreio, da brincadeira , do tempo livre de ocupações especificas para o desenvolvimento saudável e até para assimilar a informação que recebem na sala de aula.Sempre achei excessiva as doses de TPC; os Pais não querem passar as noites a tratar dos TPC com os filhos, quanto muito querem aproveitar para estar com eles, para conversar, brincar, acarinhar.Não formatem os miudos, queremos gente sonhadora e criativa, não um bando de automatos sem capacidade de reacção perante o invulgar, ou o que saia de uma rotina ou pressuposto considerado "normal".

    ResponderEliminar
  6. Como estou de acordo...... Costumo dizer que as crianças agora têm tempo para tudo menos para serem aquilo que são: Crianças.
    Há uns anos atrás, sendo eu professora do 1º ciclo, na última reunião de pais (no final do ano letivo) os pais perguntaram-me pelos trabalhos para férias. a minha resposta foi a seguinte: Vocês gostam de levar trabalho dos vossos empregos para fazerem nas férias? Como me responderam que não eu disse-lhes: a escola é o emprego dos vossos filhos e por isso eles também não gostam de levar trabalhos para fazerem nas férias........ e eles calaram-se.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

      Eliminar
  7. Acho que já vi esse grupo de pais em qualquer lado... ;)

    ResponderEliminar
  8. os pais perfeitos se calhar sao os q passam os dias no facebook ou nos blogs cheios de conversa feita lolol
    à hora q publicou este post os seus filhos estavam a lanchar sozinhos, no jardim sem vigilancia ou simplesmente enterrados na tv ?? lolol
    só tretas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá anónimo, para que não fique toda a vida inculto/a, saiba que os post agendam-se. E não será um anónimo, um cobarde, leia-se, a dar sermões sobre o que é ser bom pai/mãe. Sabe que há tratamento para a infelicidade? Procure-a.

      Eliminar
  9. A propósito do excesso de trabalhos de casa, deixo link
    https://www.change.org/p/ministerio-de-educaci%C3%B3n-por-la-racionalizaci%C3%B3n-de-los-deberes-en-el-sistema-educativo-espa%C3%B1ol

    ResponderEliminar
  10. A propósito do excesso de TPC
    https://www.youtube.com/watch?v=sCsTirDBv7Y

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. muito bom. Muito bom mesmo. bom e dramático. obrigada. questiono, o que podem os pais de hoje fazerem perante este estado de situações?
      beijinhos

      Eliminar