Páginas

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

É suposto



É suposto que goste do bairro alto. Da comida vegetariana. Do sushi. Que medite. Que use Báton vermelho. Que me encante o filme pseudointelectual e que a minha filha seja estimulada até ao tutano com aulas de ballet, musica, de hipismo, de canto e hip hop. É suposto que não fume e que beba q.b. sem excessos vergonhosos. Que a idade não se mostre. Que tenha uma casa com peças do siza vieira e quadros com um risco no meio. Que seja minimalista, de preferência. Que passe férias lá fora ou se forem cá dentro, que vá para a comporta. Que deteste pezinhos de coentrada e que não me ria alto. Demasiado alto. Jamais assuma que ouço a M80, mas que me esparramo numa alternativa Radar sem nunca assumir que me embalo com música foleira. É suposto ter seguro de saúde, empregada doméstica, um cão ou gato ou ambos e, de permeio, um coelho anão. Um bom carro cai sempre bem e a roupa da zara seja mascarada com uma mala de marca e uns sapatos Made In. É suposto não mostrar os cabelos brancos que segundo percebi, não mostram o carácter de quem assume a idade, mas denuda a desleixada. É suposto ter os filhos em bons colégios, em ATL’s espetaculares onde se gasta o que não se tem, mesmo que não se saiba quais os programas educativos da escola ou os resultados. É suposto esconder-se que se vai ao cabeleireiro de bairro. À tasca da esquina a não ser que tenha saído na time Out três vezes. É suposto ter um Iphone, um Ipad, um Ipod e de preferência andar com tudo atrás e mostrar, ou esconder se não for de uma marca da moda. É suposto não se mostrar que se tem dificuldades, que por vezes somos infelizes, que a tristeza também mora aqui. É suposto dizermos a todos os que colocam fotos novas, velhas, bonitas ou feias no Facebook que está lindo/a seguido de rasgados elogios. É suposto dizer-se que já se leu os clássicos, mesmo que ler não seja a nossa praia. É suposto correr, fazer jogging mas com estilo, nunca de roupa feia e deslavada. Faz-se com calças nike misturadas com um t-shirt adidas e umas cuecas fio dental, como se a coisa não incomodasse. É suposto não se viver segundo o que se é, o que se gosta porque no meio de tanta coisa, já ninguém sabe quem verdadeiramente é. 

24 comentários:

  1. Adorei!!! Posso partilhar????
    P.s. Corro às vezes com roupinha bem deslavada e vou ao cabeleireiro do bairro...
    Um beijinho. Bom/ótimo post!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se partilhar eu fico muito feliz:) beijinhos Paula

      Eliminar
  2. Por causa da partilha da Paula Ferrinha, minha filha, vim ler o seu texto e gostei imenso do que li. Ah também vou-a cabeleireira de bairro e à tasca da esquina...parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas doces palavras e pela filha que me ajudá a ir mais longe:) beijinhos

      Eliminar
  3. quando corria era com roupinha normal, gosto do android e por isso não há iphone para ninguém. Cabeleireiro... digamos que ando a deixar crescer, pronto. Sushi... muito medo de peixe crú. Cheiro não me agrada. Bairro alto... é uma questão de tempo. Se as minhas filhas agora mal têm tempo para brincar (têm hip hop), se as "estimulasse" tanto não sei... ATL, não pode ser. Facebook... não tenho. E olha, gosto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Remas contra a maré e de preferência não se esqueceu quem é... Bolas, parabéns, mesmo. Gosto de pessoas genuínas. Beijos

      Eliminar
  4. Que texto maravilhoso, aliás, todo o blog é fantástico! Acredito em tudo o que escreveu, é tao isso...só nao gosto de pezinhos de coentrada! 😄

    ResponderEliminar
  5. Rita, muito obrigada. Beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  6. É suposto que eu saia daqui muda e calada como tantas vezes o faço quando venho aqui, mas hoje quebro o meu silêncio, não porque concordo totalmente com tudo o que disseste (eu adoro sushi, pinto o cabelo porque me vejo ruiva - mesmo com muitos cabelos brancos - e ouço a M80 aos berros), mas porque sei que esse é um cargo imposto e não gosto disso. Aliás, não entendo o que é imposto, não percebo porque temos de ser todos iguais.
    Sei que és como eu, que abraças as diferenças. E é tão bom rir-me alto. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha queria Raquel, há muita coisa aqui que eu gosto (sushi por exemplo) mas o texto apenas reflete as imposições que parece que fazem parte obrigatória da vida. Hoje, mais do que nunca, parece que temos de... e na verdade, em termos de gostos, não temos nada. Saudades tuas, miuda beijinhos

      Eliminar
  7. Posso partilhar este texto, está tudo aqui e bem escrito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria Rita, pode e deve :) beijinhos e obrigada

      Eliminar
  8. Não conhecia o seu blog mas adorei o texto que li partilhado pela Maria Rita! Posso partilhar?

    ResponderEliminar
  9. Querida Frida, parabéns pelo texto que está muito bem escrito.
    Quanto ao conteúdo, não me vejo tão escrava das convenções. Só faço aquilo que quero, só compro aquilo de que gosto e nunca me importei com as "imposições" sociais. E olha que sou bastante cool...... :)
    Mariana

    ResponderEliminar
  10. vou partilhar no meu www.macaquinhasnosotao.blogspot.pt

    cheguei cá pela dolcefareniente Marta Moncacha e estou a gostar muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela partilha. Obrigada pelo comentário e obrigada pelo elogio. Beijinhos

      Eliminar
  11. pura verdade a 100%,adorei,é mesmo o ke se passa.

    ResponderEliminar